Polícia ouvirá mãe e padrasto de menino agredido

Portal Terra

ARARAQUARA - A Polícia Civil de Ribeirão Preto, interior de São Paulo, irá convocar para depor pela segunda vez a mãe e o padrasto do menino Pedro Henrique Marques Rodrigues, que morreu no dia 12, após quebrar em dois lugares o punho direito.

O casal, segundo a polícia, é suspeito do crime e será o último a ser ouvido antes do relatório final do inquérito, classificado como homicídio.

- Vou chamá-los novamente para depor quando for finalizar o inquérito para tirar algumas dúvidas - adianta a delegada Maria Beatriz de Campos, da equipe de homicídios da Delegacia de Investigações Gerais (DIG) de Ribeirão. No primeiro depoimento, segundo ela, ambos negaram qualquer participação direta na morte do garoto.

A delegada ouviu 15 testemunhas ligadas à rotina do casal e do menino. O advogado de defesa do casal, Luiz Carlos Bento, garante que a mãe de Pedro, Kátia Marques, e o marido dela, o representante comercial Juliano Gunelo, estão à disposição da polícia.

- Eles comparecerão quantas vezes for necessário para auxiliar a polícia no caso - disse.

Esta semana, uma vizinha da mãe e do padrasto afirmou ter ouvido uma briga entre o casal pouco antes da morte do garoto. Segundo a testemunha, a mãe gritava: "pára, chega, pára". Em seguida, três pancadas teriam sido ouvidas. Depois, teria havido um silêncio até a chegada da ambulância.

A polícia não descarta a possibilidade dos gritos terem sido dados enquanto o casal tentava salvar o garoto. Essa, inclusive, foi a informação passada pelo advogado do casal.

Ontem, o diretor do Núcleo de Perícias, José Eduardo Velludo, encaminhou as vísceras do menino para análise no Instituto Médico Legal (IML), em São Paulo.

A intenção é ter uma análise mais detalhada e analisar a possibilidade de Pedro ter tomado o tira-manchas, como alegam a mãe e o padrasto. Para Velludo, o menino morreu por embolia gordurosa, ao ter o punho direito quebrado. Além disso, ele apresentava duas fraturas nas costelas do lado direito do corpo.