Evangélicos protestam contra criminalização da homofobia

Agência Senado

BRASÍLIA - Representantes da Frente Nacional Evangélica fizeram um protesto no Congresso Nacional contra o projeto de lei da Câmara que torna crime a discriminação contra homossexuais. O senador Magno Malta (PR-ES) recebeu os manifestantes.

A frente, integrada por vários deputados federais, senadores e pastores de diversas igrejas evangélicas, considera que, a pretexto de combater a homofobia, o projeto fere a liberdade de manifestação religiosa e o direito a livre manifestação do pensamento.

Segundo a organização, a lei criminalizaria "toda e qualquer manifestação contrária ao homossexualismo e às suas práticas, ferindo o direito constitucional que cada cidadão tem de, livremente, manifestar-se, expressar-se e opinar sobre qualquer tipo de conduta moral ou tema social".

Para o pastor Fadi Faraj, do Ministério da Fé, o projeto suprime o direito à opinião do indivíduo e confere mais direitos a uns cidadãos do que a outros. - Não se trata aqui da pessoa ter liberdade de ser o que gostaria de ser. Se ela quer ser homossexual, que seja; se quer se juntar com alguém, que se junte. Mas eu não preciso aceitar isso - disse.

O projeto de lei, já aprovado na Câmara dos Deputados, encontra-se em análise na Comissão de Direitos Humanos e Legislação Participativa (CDH) e na Comissão de Assuntos Sociais (CAS) do Senado. Após o encontro com Magno Malta, os evangélicos se dirigiram ao Plenário e encaminharam à mesa da Casa um manifesto contra a aprovação do texto.