Jovens são assaltadas em frente ao Planalto

Portal Terra

BRASÍLIA - Duas estudantes de Medicina foram assaltadas na praça dos Três Poderes, em Brasília, a menos de 100 metros do Palácio do Planalto, local onde trabalha o presidente Luiz Inácio Lula da Silva. As estudantes estavam acompanhadas de outros alunos que viajaram de São Paulo à capital federal para participar de um congresso do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu). Elas tiveram máquinas digitais, celulares, cartões de crédito e a chave do carro roubados.

Os arredores do Palácio do Planalto são considerados uma área de segurança reforçada. Abrigam o gabinete do presidente, de ministros e do vice-presidente, José Alencar.

A estudante Gabriela Winckler, 26 anos, lamentou o assalto e a falsa impressão de segurança.

- Viemos para Brasília para o congresso do Samu e agora fomos assaltadas. É triste, foi na frente da casa do presidente. Existe tanta polícia, mas é complicado. Parece que é seguro, mas não é - disse.

O grupo de estudantes se dirigiu às duas guaritas do Planalto, que mantêm seguranças 24 horas por dia. Os militares de plantão acionaram a Polícia Militar, que enviou uma viatura e duas motos para fazer uma ronda na área. O assaltante não foi encontrado.

Oficialmente, o local deveria ser policiado pela PM e pela Companhia de Polícia de Turismo Independente (CPTur). Os quatro motociclistas e os dois militares responsáveis pela região, no entanto, haviam sido deslocados para o Museu da República, a menos de 1 km do local, para fazer a segurança de obras de arte.

- A suspeita é que o assaltante seja um morador de rua. Diria que foi uma fatalidade. É a primeira vez que vejo isso acontecer em seis anos - disse o sargento Mauro França, da Polícia Militar.

- Ele deve ter saído correndo e pode ter entrado num bueiro, feito um tatu. Não tem como pegar. É a primeira vez que eu ouço falar de um assalto nessa região - ressaltou o policial.