Lupi: Paulinho devia se licenciar da presidência do PDT-SP

Portal Terra

BRASÍLIA - O ministro do Trabalho e presidente licenciado do PDT, Carlos Lupi, afirmou que acredita na inocência do deputado Paulo Pereira da Silva, o Paulinho, mas considera que o parlamentar deve se licenciar da presidência da legenda em São Paulo para melhor se defender.

- A minha avaliação é de que ele devia se licenciar (da presidência do partido em São Paulo) para se defender. Em todo caso, não podemos pré-julgar ou condenar ninguém sem provas - disse Lupi, que compareceu ao Congresso para a posse do senador Jeferson Praia, suplente do senador Jefferson Peres (PDT-AM), morto há duas semanas.

Nesta terça-feira, o presidente do Conselho de Ética da Câmara, deputado Sérgio Moraes (PTB-RS), instaurou processo por quebra de decoro parlamentar contra Paulinho. Ele é suspeito de envolvimento no esquema de desvio de verbas no Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), deflagrado na Operação Santa Teresa, da Polícia Federal.

Para Lupi, no entanto, o deputado deve enfrentar o processo investigatório na Câmara, sem renunciar ao cargo eletivo. - Quem não deve não teme. A princípio tenho que acreditar na palavra dele - disse o ministro do Trabalho.

Para Carlos Lupi, as denúncias contra Paulinho não significam, de imediato, rompimento de uma relação partidária de anos ou mesmo da amizade entre eles. - Estamos lidando com uma pessoa que tem uma relação partidária e de amizade com a gente. Essa relação não pode ser extinta apenas por denúncias. Temos que ter provas, temos que ter direito de defesa - afirmou.