Lula: 800 milhões de famintos no mundo é um insulto à humanidade

Agência ANSA

ROMA - O presidente Luiz Inácio Lula da Silva afirmou nesta terça-feira, durante seu discurso na abertura da Conferência da FAO (Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação) sobre Segurança Alimentar, Mudanças Climáticas e Bioenergia, que 'mais de 800 milhões de pessoas em todo o mundo vão dormir com fome e isso é um insulto à humanidade'.

- Para entender plenamente as verdadeiras razões da crise alimentar atual é indispensável afastar o sinal de fumaça lançado pelos lobbies poderosos que pretendem atribuir à produção de etanol à responsabilidade pela recente inflação do preço dos alimentos - sustentou Lula.

Para o presidente, a alta do preço dos alimentos 'não tem uma única explicação', mas é na verdade o resultado de uma 'combinação de fatores: o aumento do petróleo que afeta os custos dos fertilizantes e dos fretes, a especulação nos mercados financeiros, a redução nos estoques mundiais, e a manutenção de políticas protecionistas absurdas na agricultura dos países ricos'.

- Quem diz que a cana-de-açúcar está invadindo a Amazônia diz besteira - comentou Lula defendendo o programa nacional para a produção de bioetanol.

- 99,7% das plantações de cana se encontram a pelo menos 2 mil quilômetros da Amazônia, uma distância similar àquela entre o Vaticano e o Kremlin - continuou o presidente.

- No Brasil existem cerca de 77 milhões de hectares de terras agrícolas, fora da Amazônia, ainda não utilizadas, uma área igual à da França e Alemanha juntas - acrescentou Lula, que concluiu: 'nosso etanol retirado da cana-de-açúcar não agride a Amazônia, não retira terra da produção de alimentos nem provoca uma queda na oferta de alimentos na mesa dos brasileiros e do mundo'.

03/06/2008 08:38