Índios mantêm servidores da Funai reféns no Maranhão

Agência Brasil

SÃO LUÍS - Cinco servidores da Fundação Nacional do Índio (Funai) são mantidos reféns pelos índios desde a última sexta-feira, na aldeia dos Krikati, em Montes Altos, no Maranhão. A comunidade Krikati reivindica o término da atividade de levantamento fundiário e regularização fundiária, com vistas ao pagamento das benfeitorias consideradas de boa-fé aos ocupantes, que ainda não saíram da terra indígena.

Segundo a Funai, um documento foi enviado à comunidade, comunicando as providências da Funai para a conclusão dos trabalhos, dentre elas a solicitação da presença da Polícia Federal na área, mas nenhum efetivo foi deslocado à terra indígena. Os técnicos da Funai e do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) estão realizando revisão dos valores das benfeitorias cadastradas, além do levantamento fundiário.

A Funai e o Incra reuniram-se no dia 28 (quarta-feira da semana passada) para tratarem do reassentamento dos não-índios, que ocupam as Terras Indígenas Krikati e Awá e um novo encontro será realizado, ainda na primeira quinzena de junho, na cidade de Imperatriz, com a participação das lideranças indígenas. O administrador da Funai em Araguaína (TO), Cleso Fernandese, e lideranças Krikati chegam amanhã a Brasília, para uma reunião com a diretoria de assuntos fundiários da Funai.