Governo oferece ajuda para investigar tortura a jornalistas no Rio

Agência Brasil

BRASÍLIA - O ministro interino da Justiça, Luiz Paulo Barreto, avaliou que a tortura sofrida por uma equipe de reportagem do jornal O Dia, supostamente praticada por milicianos, é um atentado à liberdade de imprensa. A informação é da assessoria de imprensa do Ministério da Justiça.

Uma repórter, um fotógrafo e um motorista do jornal teriam sido torturados por cerca de sete horas, com choques elétricos, socos e pontapés há cerca de 15 dias. Ainda segundo a assessoria do ministério, Barreto garantiu que o governo federal vai apoiar o governo do Estado do Rio de Janeiro durante as investigações no que for preciso.

O ministro interino lembrou que o apoio ao Estado já vem ocorrendo mesmo antes do ocorrido, como no caso da atuação da Força Nacional de Segurança Pública no Complexo do Alemão.

Os profissionais do jornal carioca produziam uma reportagem sobre o cotidiano de moradores de comunidades dominadas por grupos paramilitares. A Delegacia de Repressão às Ações Criminosas Organizadas (Draco) investiga o caso.