Marina diz que não estava mais 'agregando'

JB Online

BRASÍLIA - 'Minha permanência não estava mais agregando'. Essa foi a justificativa da ex-ministra do Meio Ambiente Marina Silva para a saída do cargo. - Percebi que as pedras não estavam mais se movendo e quando as pedras não se movem, é precismo fazer algo para que elas se movam - acrescentou a ex-ministra que concede entrevista coletiva para explicar as razões de ter deixado a pasta na última terça-feira.

Em relação ao novo ministro Carlos Minc, Marina Silva defendeu que a posição mais correta a ser seguida é a de "manter as conquistas e não retroceder". Se o pensamento for esse, "já é um bom sinal", segundo ela.

A ex-ministra descartou a possibilidade de deixar o PT. Afirmou que sua trajetória se funde à do partido. Argumentou que, apesar de ter se filiado apenas em 1985, participou ativamente da fundação da sigla, ao lado do presidente Luiz Inácio Lula da Silva. - Então, a trajetória do PT e minha trajetória é um casamento - acentuou.

Marina Silva também negou a possibilidade de concorrer ao governo do Acre. - Fui incitada a ser candidata na última eleição, mas entendi que a minha melhor contribuição era ficar no ministério. Com certeza, não seria candidata, sou senadora e claro estou avaliando se, de fato, vou buscar a reeleição [ao Senado].

Com informações da Agência Brasil

Utilizamos cookies essenciais e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade.
Ao continuar navegando, você concorda com estas condições.
Saiba mais