Barco que naufragou no AM estava irregular

Portal Terra

SÃO PAULO - O barco "Comandante Sales", que naufragou por volta das 5h30 no rio Solimões, no Amazonas, próximo ao município de Manacapuru, a 84 km de Manaus, estava irregular, de acordo com a Capitania Fluvial da Amazônia. Estão confirmadas as mortes de 15 pessoas. O número de desaparecidos, no entanto, não é exato devido à situação do barco, que não tinha autorização para navegação.

A embarcação não é inscrita na Capitania dos Portos e por isso não tinha autorização para navegação. Em janeiro deste ano, o mesmo barco chegou a ser apreendido pela Capitania dos Portos por não possuir a documentação exigida e estar navegando sem tripulação habilitada.

Segundo a Marinha, cerca de 80 pessoas estavam a bordo, entre passageiros e tripulantes. Eles saíram da comunidade Lago do Pesqueiro - onde participaram de uma festa religiosa na noite de sábado - com destino a Manacapuru. Há suspeita, inclusive, de superlotação. Possivelmente, segundo a Marinha, a forte chuva provocou o desequilíbrio da embarcação e fez com que ela virasse.

Alguns passageiros conseguiram nadar até a margem do rio e outros foram socorridos de imediato pelos ocupantes de outro barco que vinha logo atrás do "Comandante Sales".

O Corpo de Bombeiros do Amazonas informou que o barco não naufragou totalmente e já foi atracado em uma das margens do rio.

As buscas dos sobreviventes foram feitas por mais de 40 mergulhadores e bombeiros e começaram por volta das 10h, horário de Brasília.

Um inquérito administrativo coordenado pela Capitania Fluvial da Amazônia Ocidental será instaurado para apurar o acidente. O prazo inicial para conclusão das investigações é de 90 dias.

A capacidade de carga e de passageiros de uma embarcação é definida por meio de vistoria da Capitania dos Portos, a partir da regularização formalizada pelo proprietário do barco.

Com informações da Agência Brasil