Marta é vaiada em festa de 1º de Maio da Força

Portal Terra

SÃO PAULO - A ministra do Turismo, Marta Suplicy, foi vaiada pelo público que compareceu à festa do Dia do Trabalho da Força Sindical, realizada em São Paulo. A estimativa é que 300 mil pessoas participem do evento.

Marta foi convidada a participar da festa pelo deputado federal Paulo Pereira da Silva, o Paulinho da Força, presidente da entidade. O PDT, partido ao qual pertence o deputado, costura uma aliança com o PT para as eleições municipais de São Paulo e pode apoiar uma eventual candidatura de Marta Suplicy nas eleições de outubro.

Assim que pegou no microfone para a sua fala, durante o ato político do evento, Marta Suplicy foi prontamente vaiada pela maioria dos presentes. Após cerca de um minuto, Paulinho interrompeu o discurso da ministra para chamar a atenção do público. "A Marta está aqui como minha convidada e todos vocês sabem quem é contra os trabalhadores, e não é o caso dela", disse.

Assim que voltou a falar, ainda sob vaias, ela afirmou estar presente como ministra do presidente Lula e não como ex-prefeita da cidade.

-Um pequeno grupo vaiou e muita gente aplaudiu. Não dá para vir em uma reunião desse porte e não receber nenhuma vaia. É normal, é natural que algumas pessoas vaiem - disse Marta após deixar o palco.

Sobre a possível aliança entre PT e PDT, a ministra disse que não cabe a ela a negociação: Não estou negociando nada, é o presidente do partido (do diretório municipal), José Américo, que está discutindo essas questões.

Paulinho, por sua vez, disse que o PDT ainda não se decidiu se vai disputar com candidatura própria, junto ao bloco formado com PCdoB e PSB, ou com um apoio. "O PDT não tem nenhuma relação com o (o prefeito) Kassab, ele tem tratado muito mal os trabalhadores de São Paulo", disse.

José Américo falou que a presença de Marta no evento foi um ato de aproximação entre PT e PDT.