Chuvas aumentam casos de dengue no RGN, afirma coordenador

Luana Lourenço, Agência Brasil

BRASÍLIA - A grande quantidade de chuvas que atingiu a Região Nordeste no mês de abril é uma das causas para o crescimento do número de casos de dengue registrados pelas autoridades de saúde do Rio Grande do Norte, de acordo com o coordenador de Epidemiologias do estado, Alexandre Menezes.

- A combinação de chuvas com muito calor e umidade favorece a proliferação do inseto [mosquito Aedes aegypti] - aponta.

O estado já contabilizou cerca de 15 mil casos este ano, além de 580 suspeitas de febre hemorrágica por dengue, forma mais grave da doença. O índice de infestação que revela o percentual de residências com focos do Aedes aegypti chega a 10%. O recomendado pela Organização Mundial de Saúde (OMS) é que esse número seja inferior a 1%.

- Existe uma epidemia em curso no estado há mais de um mês. Cerca de 20 municípios já têm uma incidência maior que 300 casos para cada 100 mil habitantes - contabiliza.

Segundo Menezes, por causa da alta incidência de suspeitas de dengue do tipo hemorrágica, a atuação dos órgãos de saúde estaduais e municipais está concentrada na assistência aos pacientes, para diminuir a letalidade da doença, que já matou duas pessoas no estado e pode ser a causa da morte de outras 33. Entre as medidas prioritárias estão a criação de leitos de hidratação, contratação pessoal e capacitação para médicos.

- Infelizmente, a meteorologia ainda está prevendo uma grande quantidade de chuvas para o estado. E isso dificulta muito o trabalho de controle, inclusive pela dificuldade de acesso dos agentes de saúde aos locais de infestação - relata Menezes.

A epidemia de dengue na Região Nordeste foi um dos temas discutidos nesta quarta-feira, pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva e pelo ministro da Saúde, José Gomes Temporão, com gestores de saúde da região durante o Fórum de Governadores do Nordeste, em Maceió, Alagoas.