Metrô teria ignorado conselho técnico para Linha 4

Portal Terra

SÃO PAULO - A Companhia do Metrô teria desconsiderado recomendações técnicas que dariam mais segurança às escavações da Estação Pinheiros da Linha 4-Amarela. Segundo o jornal O Estado de S. Paulo, dois relatórios indicavam que, por causa de problemas no solo na região, era necessário ter feito obras mais profundas que as realizadas. No dia 12 de janeiro de 2007, um desabamento nas obras do Metrô deixou sete pessoas mortas.

Segundo o jornal, escavações mais profundas atrasariam a inauguração em seis meses e demandaria novos gastos, tanto durante a obra quanto após a abertura da estação, incluindo mais lances de escadas rolantes e maior uso de energia elétrica. A estação foi escavada a 30 m de profundidade. De acordo com especialistas, o ideal seria entre 35 m a 45 m.

O Metrô informou que a elaboração do projeto que poderia rebaixar a cota é de responsabilidade do Consórcio Via Amarela - formado pela OAS, Odebrecht, Camargo Corrêa, Queiroz Galvão, Andrade Gutierrez e Alstom. De acordo com a companhia, a determinação final sobre a construção caberia aos empreiteiros.