Caso Isabella: Culpar casal é precipitação da polícia, diz defesa

Portal Terra

SÃO PAULO - Os advogados Ricardo Martins e Rogério Nery chegaram ao 9º Distrito Policial (Carandiru) de São Paulo por volta das 10h e declararam que as acusações da polícia com relação ao casal Alexandre Nardoni e Anna Carolina Trotta Jatobá, pai e madrasta da menina Isabella Oliveira Nardoni, 5 anos, são precipitadas.

- Temos que aguardar os laudos e não podemos nos precipitar. Acho que está havendo um pré-julgamento - disse Martins.

Segundo a Folha de S.Paulo, com base em dados preliminares elaborados por peritos do Instituto de Criminalística (IC) e de legistas do Instituto Médico Legal (IML), os delegados e investigadores do 9º DP, Calixto Calil Filho e Renata Pontes, responsáveis pelo esclarecimento do assassinato de Isabella, têm a convicção de que Nardoni jogou a filha do seu apartamento após a madrasta da menina ter tentado asfixiá-la.

Isabella foi encontrada ferida no dia 29 de março, no jardim do prédio onde moram o pai e a madrasta, na Zona Norte de São Paulo. Segundo os Bombeiros, a menina chegou a ser socorrida e levada ao Pronto-Socorro da Santa Casa, mas não resistiu aos ferimentos e morreu por volta da 0h. O casal ficou nove dias preso por suspeita de envolvimento na morte.