Greve dos Correios já atinge 23 Estados e o DF

JB Online

BRASÍLIA - A greve dos Correios já atinge 23 Estados e o Distrito Federal, segundo informações do Sindicato dos Trabalhadores nos Correios do Paraná (Sintcom-PR). Apenas Minas Gerais, Roraima e Espírito Santo ainda não aderiram ao movimento. No Paraná, a paralisação atinge principalmente o setor de distribuição, com uma adesão avaliada em torno de 60% pela assessoria de imprensa da Empresa de Correios e Telégrafos (ECT).

Hoje pela manhã, de acordo com a assessoria do sindicato, a greve ganhou um grande reforço no Paraná, com a adesão dos funcionários de Londrina e municípios da região. Cerca de 500 funcionários decidiram, em assembléia, paralisar suas atividades. Em Curitiba, a categoria mantém um acampamento diante da sede estadual da empresa.

Os trabalhadores exigem o cumprimento de um acordo assinado em novembro de 2007 pelo ministro das Comunicações, Hélio Costa, e pelo presidente dos Correios, Carlos Henrique Custódio. O termo de compromisso prevê o pagamento a partir de março deste ano, do adicional de risco aos carteiros, no valor de 30% do salário-base. Na última semana a empresa resolveu suspender o pagamento.

Outra reivindicação da categoria diz respeito à Participação nos Lucros e Resultados (PLR) referente a 2007, ano em que a categoria alega que os Correios obtiveram um lucro recorde de R$ 830 milhões. Os trabalhadores denunciam o favorecimento de chefes, gerentes e diretores dos Correios, que receberam a título de PLR valores até 300 vezes maiores que os pagos aos trabalhadores.

De acordo com o Sintcom-PR, o presidente dos Correios teria recebido cerca de R$ 44 mil a título de participação nos lucros. Nos Estados, os diretores regionais da empresa teriam recebido aproximadamente R$ 20 mil. Por outro lado, a maioria dos trabalhadores recebeu valores inferiores a R$ 400. Há casos, denuncia o sindicato, de trabalhadores que receberam menos de R$ 150. O sindicato afirma que vai acionar sua assessoria jurídica para questionar os critérios usados pelos Correios para o pagamento da participação dos lucros.

Segundo a assessoria de imprensa dos Correios, em Brasília, a empresa procurou adotar um critério mais justo. Até o ano passado, os lucros eram divididos igualmente entre todos os funcionários sem qualquer avaliação, como assiduidadade ou mérito. A partir deste ano, começaram a ser feitas avaliações por competência profissional, como bom desempenho, pontualidade, interesse e faixa salarial. Dessa forma, cada funcionário passou a receber um percentual diferente. Segundo a assessoria, da mesma forma que o antigo, o novo critério 'não agrada a todos'.

Com informações da Agência Brasil