Conselho Indígena alega que arrozeiros dominaram riquezas das terras

Agência Brasil

BOA VISTA - A ganância de agricultores brancos é a razão apontada pelo Conselho Indígena de Roraima (CIR) para o agravamento da disputa entre índios e arrozeiros na Terra Indígena Raposa Serra do Sol.

Ouvido pela Agência Brasil na sede da entidade, o coordenador geral do CIR, índio macuxi Dionito José de Souza, lembrou que, ao ocuparem a área, a primeira ação dos arrozeiros foi proibir a caça e a pesca, atividades tradicionais da cultura indígena. Além disso, as promessas de geração de riqueza para todos não teriam se concretizado.

- Quando a pessoa quer 'enricar' [enriquecer] sozinha, quer tudo só para ela. Os rizicultores não nos favorecem, trabalham somente para o seu bolso. Acreditamos que ia ser bom, mas fomos ficando sem terra, sem saúde e sem educação que respeite a nossa cultura - recordou o Macuxi.

Desde a homologação da Terra Indígena em maio de 2005, os índios representados pelo CIR aguardam ansiosos a retirada dos brancos. Uma espera que já dura três anos e gera uma súplica para que a Polícia Federal não recue da operação de desintrusão:

- Se ela [ PF] veio para fazer o trabalho, com o dinheiro da Nação empenhado, e o Estado brasileiro reconheceu o direito dos povos indígenas, vai ter que cumprir esse papel.

Agora os arrozeiros, acrescentou Souza, só não saem da Raposa Serra do Sol se não tiver policial macho no Brasil . Mas Independente da ação da PF, o representante do CIR avisa que os índios saberão reagir diante de qualquer agressão por parte daqueles que insistem em permanecer n área homologada:

- Agüentamos muito tempo com paciência, mas não vamos aceitar ver índio tombar [morrer] de graça.

O CIR quer o apoio do governo federal na implantação de projetos de desenvolvimento sustentável em benefício das comunidades da Raposa Serra do Sol. Segundo o conselho, vivem na área de 1,7 milhão de hectares 18.992 índios divididos em 194 aldeias. Mas nem todos defendem a retirada dos arrozeiros. Aproximadamente um terço deles, pelos cálculos do CIR, participam de associações dissidentes ligadas aos agricultores.