Corpo de sem-terra assassinado no Paraná é enterrado

JB Online

CURITIBA - O corpo do coordenador do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) Eli Dallemole, de 42 anos, foi enterrado esta terça-feira em Tamarana, nas proximidades de Londrina, norte do Paraná. Ele foi assassinado na noite de domingo, dentro de casa, no Assentamento Libertação Camponesa, em Ortigueira, onde morava com a família. A polícia prendeu ontem cinco homens suspeitos de envolvimento no crime.

Entre eles está o proprietário da Fazenda Copramil, o advogado Adilson Honório de Carvalho, de 35 anos, que preside o Sindicato dos Comerciantes de Cornélio Procópio. Segundo o delegado-chefe da Divisão Policial do Interior, Luiz Alberto Cartaxo, os detidos também são acusados de participar de uma tentativa de expulsão dos acampados na Copramil, no dia 8 de março, quando foram queimados vários barracos do acampamento, dentro da fazenda.

De acordo com o MST, o trabalhador vinha sendo ameaçado de morte há mais de dois anos, situação que se agravou após o ataque em março. O MST divulgou nota cobrando da Justiça a punição dos responsáveis "por mais um assassinato de trabalhador sem terra no estado".

Segundo o movimento, no ataque em março, 15 pistoleiros aterrorrizaram as 35 famílias do MST acampadas na área e queimaram todos os pertences dos trabalhadores. De acordo com o relato, crianças foram ameaçadas e arrastadas e mulheres e homens espancados, ficando apenas com a roupa do corpo. Muitos não conseguiram salvar nem seus próprios documentos.

Sete pistoleiros foram presos em flagrante pela polícia e levados à Delegacia de Ortigueira. Foi instaurado um inquérito policial para investigação de formação de milícia armada, pela polícia de Curitiba.

Com informações da Agência Brasil