Dilma sobre CPI: Planalto tem mais o que fazer

Portal Terra

CURITIBA - A ministra-chefe da Casa Civil, Dilma Rousseff, afirmou neste sábado, durante evento da Federação das Indústrias do Estado do Paraná, em Curitiba, que o parlamento tem o direito de investigar o que quiser na CPI mista dos Cartões Corporativos, "mas o Planalto tem mais o que fazer".

- Prefiro tratar do PAC nas minhas 12 horas de trabalho - afirmou a ministra.

Dilma reforçou a idéia de que não houve um dossiê sobre os gastos de contas tipo B e com cartões corporativos do governo FH. Segundo ela, as informações divulgadas pelo jornal Folha de S.Paulo representam "dado sigiloso que já foi auditado. Não traz nenhuma irregularidade".

Ela repudiou também o uso do termo dossiê, que classificou como "eleitoreiro". - O problema do uso do termo dossiê é que ele reproduz histórias de outros dossiês que foram feitos de forma incorreta - disse a ministra.

Dilma reafirmou que as informações que vazaram se tratam de um fragmento de um banco de dados, que seria um instrumento de verificação das contas, feito a pedido do Tribunal de Contas da União (TCU).

De acordo com a ministra, a Casa Civil está investigando o vazamento. Ela disse que o crime está na divulgação das informações, que eram sigilosas.

Sobre a exoneração da secretária-executiva, Erenice Guerra, braço-direito de Dilma, a ministra afirmou que "ela tem a orientação de fazer tudo que o TCU pedir e for relevante". A solicitação do tribunal, segundo a ministra, foi que o envio dos dados das contas tipo B e de cartões corporativos fosse feito de forma mais organizada.