Dilma nega dossiê, mas admite banco de dados

Portal Terra

SÃO PAULO - A ministra da Casa Civil, Dilma Rousseff, disse nesta sexta-feira, no Recife, que o governo montou um banco de dados com informações de despesas de cartões corporativos. Ela ressaltou que a coleta de dados não tiveram nenhuma intenção de fazer um dossiê do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, mas para atender a possíveis pedidos legais. As informações são da rádio CBN.

As afirmações de Dilma foram feitas depois da divulgação de uma matéria da Folha de S. Paulo que aponta Erenice Alves Guerra, braço direito da ministra Dilma Rousseff, como responsável pela ordem para a organização de um dossiê com todas as despesas realizadas pelo ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, sua mulher, Ruth Cardoso, e ministros da gestão tucana a partir de 1998.

Erenice Alves Guerra, conhecida como "faz-tudo" de Dilma, segundo o jornal, teria montado um banco de dados paralelo ao Sistema de Controle de Suprimento de Fundos (Supim), o sistema oficial de controle de despesas com suprimentos de fundos do governo. A Casa Civil, no entanto, negou a elaboração de um dossiê. Dilma negou o dossiê e disse que se trata apenas de um banco de dados.