Chávez defende 'grande pátria socialista' em fim de visita ao Brasil

Agência EFE

BELÉM - O presidente venezuelano, Hugo Chávez, concluiu nesta quinta-feira (27) sua visita ao Brasil na cidade de Belém com um pedido para a construção de 'grande uma pátria sul-americana, livre do imperialismo, soberana e socialista'.

Na última atividade oficial da visita ao Brasil, Chávez participou de um ato com movimentos sociais do estado do Pará que foi assistido por cerca de 500 pessoas.

Em um inflamado discurso que durou quase uma hora e meia, Chávez fez uma análise minuciosa da realidade social latino-americana e pediu a 'construção do caminho em direção ao socialismo', que, em sua opinião, é a única via para 'uma pátria verdadeira' e a "libertação de séculos de imperialismo e capitalismo'.

Em seu discurso, Chávez lembrou reiteradamente de pensadores, ideólogos e políticos, como Karl Marx, Paulo Freire, Darcy Ribeiro, Fidel Castro, José Martí, Víctor Hugo, Ernesto Che Guevara, Simón Bolívar e Antonio Machado.

Em tom de piada, e em meio aos aplausos dos presentes, disse que a extrema direita por estes lados deve estar furiosa, "porque Hugo Chávez está em Belém, e indicou que o povo foi 'novamente despertado', está 'em plena batalha e não pode perder esta oportunidade'".

O governante venezuelano defendeu a construção de uma 'nova integração' que comece 'pelo amor, o coração, a alma', diferente da "integração econômica que apregoa o neoliberalismo'.

Chávez afirmou que a construção da 'grande nova pátria sul-americana deve começar pela consciência e a certeza de que ou ela é completa, ou não há pátria'.

- Amanhece um novo dia, que todos saibam disso e que não haja nestas terras nem pessimistas nem pessoas dormindo, que todos se levantem para construir esta pátria, pois não há tempo a perder, o momento é agora - disse Chávez, que assegurou que 'uma das grandes falhas de muitos movimentos e Governos de esquerda foi a falta de capacidade de concretização'.

O líder avaliou os 'extraordinários convênios' assinados com o presidente Luiz Inácio Lula da Silva e os passos dados para a construção de uma refinaria conjunta entre as estatais PDVSA e Petrobras em Pernambuco.

Em 'portunhol', disse que se trata de uma 'aliança estratégica'

entre duas das 'maiores companhias petrolíferas do mundo', e sustentou que constitui 'um passo em direção ao futuro'.

O presidente venezuelano também ofereceu ao estado do Pará 'e a todo o norte do Brasil' as experiências venezuelanas e cubanas na luta contra o analfabetismo e a miséria, e pediu que aproveitem 'a infinita colaboração da Cuba revolucionária' e a disposição da Venezuela de expandi-la pela América Latina.

- O povo venezuelano despertou e só tem medo de andar para trás - afirmou Chávez, que assegurou que em matéria de integração é necessário 'passar das palavras aos fatos, criar coisas e conseguir frutos'.

Participaram do ato realizado em Belém a governadora do Pará, Ana Júlia Carepa, e militantes de diversos grupos sociais, como o Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) e representantes dos Círculos Bolivarianos do Brasil.