Lupi defende expropriação de terra com trabalho escravo

Agência Câmara

BRASÍLIA - O ministro do Trabalho, Carlos Lupi, defendeu nesta manhã a expropriação de terras onde forem encontrados trabalhadores mantidos em condições análogas à escravidão.

- Se ficar comprovado que o trabalho escravo é recorrente na propriedade, eu sou favorável à sua expropriação - disse o ministro, durante reunião da Comissão de Trabalho, de Administração e Serviço Público.

Lupi disse que o Brasil está na vanguarda do combate ao trabalho escravo. A atuação do ministério nessa área, no entanto, foi contestada pelo vice-presidente da Comissão de Trabalho, deputado Nelson Marquezelli (PTB-SP).

Marquezelli criticou a atuação do Grupo Especial de Fiscalização Móvel, vinculado à Secretaria de Inspeção do Trabalho do ministério, que atua no combate ao trabalho escravo. Para o deputado, a atuação do grupo móvel só prejudica a imagem do Brasil no exterior.

- Escravos nós tivemos, não temos mais - disse.

O ministro do Trabalho reagiu às críticas.

- Não posso impedir uma ação que tem hoje resultados positivos, inclusive no exterior - afirmou.

Carlos Lupi disse que, em vez de esperar que órgãos internacionais denunciem o trabalho análogo ao de escravo, o País deve se antecipar e combatê-lo.

- Os empresários precisam cumprir a legislação e evitar o trabalho em condições degradantes, porque, caso contrário, os seus produtos poderão estar maculados para sempre.