Decretada prisão de dois seqüestradores de Olivetto

Portal Terra

SÃO PAULO - Após seis anos de investigações, a Divisão Anti-Seqüestro (DAS) de São Paulo concluiu o inquérito sobre o seqüestro do publicitário Washington Olivetto, ocorrido em 2002. Com o fim das investigações, foi obtida, na Justiça, a prisão preventiva de mais dois autores do crime. As informações são da rádio Jovem Pan.

Os extremistas chilenos Cristian Adolfo San Martin Morales e Luiz Alberto Moreno Correa ainda estão foragidos. Eles também são procurados no Chile por violações à lei antiterror.

Segundo a rádio, Cristian é integrante de uma dissidência do Movimento Esquerda Revolucionária, o Exército Geral do Povos-Pátria Livre e Correa integra a Frente Patriótica Manoel Rodrigues.

Foi Cristian quem alugou a casa da rua Kansas, no Brooklin, que foi usada como cativeiro durante os 53 dias do seqüestro do publicitário. Depois de preso em Serra Negra, em 2002, o líder do grupo, Maurício Hernandez Norambuena, fez um acordo com a polícia e telefonou para seus subordinados, ordenando a libertação de Olivetto.

Segundo informações divulgadas na época, foi para Cristian que Norambuena ligou dando a ordem: "Soltem o cavalheiro".

Já Correa é acusado de ser o responsável pelo arsenal usado para dominar Olivetto em Higienópolis. Ao todo, os extremistas mantiveram pelo menos dez bases em São Paulo. Uma delas era ocupada por Correa, na rua Pedroso Alvarenga, zona sul da cidade.