Ações contra aids em paradas gay receberão R$ 1 mi

Agência Brasil

BRASÍLIA - O Programa Nacional de DST e Aids do Ministério da Saúde quer aproveitar as chamadas "paradas gay" para incentivar ações de prevenção e promoção de direitos humanos. Para isso, lançou um edital no valor de R$ 1 milhão para financiar organizações da sociedade civil que trabalhem com o público de gays, lésbicas, bissexuais, transexuais e transgêneros (GLBT).

O edital prevê o apoio a um projeto por município, no valor de até R$ 20 mil, desenvolvido por organizações da sociedade civil. Podem ser financiadas ações como distribuição de preservativos e de folhetos explicativos e realização de seminários com temas relacionados à saúde, habitação, trabalho e educação.

O secretário-adjunto do programa, Eduardo Barbosa, explica que hoje não há mais grupos de risco no que se refere à contaminação pelo vírus da aids. "Hoje a gente não tem mais grupos de risco, mas ainda a epidemia está concentrada em algumas populações, como neste caso a de gays, lésbicas, travestis, transexuais."

Segundo Barbosa, vão ter prioridade no edital os projetos vindos de municípios do interior. Ele explica que em cerca de 85% dos municípios brasileiros há pelo menos um caso de aids, o que mostra uma tendência de interiorização da doença.

"Nós sabemos que nas capitais também acontecem essas paradas, só que nas capitais também existem maiores possibilidades de conseguir outros apoios para a realização dessas ações", diz.

O edital está disponível no site do programa (www.aids.gov.br), no link Organizações da Sociedade Civil/Apoio técnico e financeiro/Seleção Pública. As propostas devem ser encaminhadas até o dia 31 de março. O resultado da seleção será divulgado até 14 de abril.