Divulgação de gastos com segurança presidencial será reavaliada

Agência Brasil

BRASÍLIA - O ministro chefe do Gabinete de Segurança Institucional (GSI) da Presidência da República, Jorge Armando Felix, disse há pouco que o gabinete está reavaliando as informações disponíveis no portal da transparência da Controladoria Geral da União (CGU) sobre gastos no cartão corporativo relativos à segurança do presidente Luiz Inácio Lula da Silva e seus familiares.

Entre as informações constam gastos com material de construção, peças de automóveis, munições e informática.

- Estamos reavaliando esses dados e aqueles que no nosso entender tragam algum prejuízo à segurança do presidente e das demais pessoas não mais estarão no portal da transparência.

Segundo ele, por meio dessas informações, pessoas mal intensionadas podem "inferir" dados importantes sobre a segurança presidencial e de seus familiares, o que poderia colocá-los em risco.

- Temos informações no portal da transparência, algumas delas que podem efetivamente para aquelas pessoas ou aqueles grupos que teriam algum tipo de desejo ou vontade de realizar alguma ação, aquelas ações que chamamos de hostis. Por exemplo, a quantidade de pessoas que trabalham na segurança pode ser deduzida a partir de algumas informações que estão disponíveis no portal.

Além do presidente Lula e os familiares dele, o vice-presidente e ex-presidentes têm direito à segurança por meio do GSI. O gabinete tem dois escritórios: um em São Bernardo do Campo (SP), onde está a maioria dos parentes de Lula, e outro em Florianópolis (SC), onde mora a filha do presidente, Lurian.