Negada liberdade a homem que seria ligado a Abadia

Portal Terra

SÃO PAULO - Jaime Hernando Martinez Verano, acusado de integrar a organização criminosa do traficante colombiano Juan Carlos Abadia, vai continuar preso. Caberá, agora, à Quinta Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) a análise do mérito do caso. O vice-presidente do Tribunal, ministro Francisco Peçanha Martins, negou o pedido de liberdade apresentado pela defesa.

Verano foi denunciado pelos crimes contra a paz pública e formação de quadrilha. Na organização criminosa de Abadia, Verano seria o responsável pela guarda e transporte do dinheiro do tráfico. Consta no processo que ele enterrou cerca de U$ 1,4 milhão no jardim de sua casa. E, depois, entregou a quantia para seu motorista esconder. O dinheiro foi encontrado na casa do motorista, pai de um homem que seria comparsa da quadrilha.

A defesa de Verano alega que não há os requisitos legais para a sua prisão preventiva. Sustenta, ainda, que ele "possui residência fixa e potencial para exercer atividade lícita, tampouco há comprovação de que em liberdade ele fosse praticar ilícito".