ONGs temem atraso na entrega de camisinhas liberadas pelo Governo

Agência Brasil

BRASÍLIA - O Fórum de ONGs/Aids de São Paulo, que reúne 98 entidades ligadas à prevenção da doença no estado, está preocupado com a possibilidade de atraso no recebimento do lote de preservativos que começou a ser liberado na última terça-feira pelo governo federal para distribuição durante o carnaval.

A cota do estado no lote é a maior do país e corresponde a 4,6 milhões de camisinhas do total de 19,5 milhões disponibilizadas para todas as unidades da federação pelo Programa Nacional de DST/Aids. Na maioria dos estados, o material é recebido pelas secretarias estaduais de saúde, que fazem o repasse aos municípios, responsáveis por abastecer os postos de saúde e as organizações não-governamentais (ONGs) que desenvolvem ações de prevenção à aids e doenças sexualmente transmissíveis.

De acordo com o presidente do fórum, Américo Nunes Neto, nos municípios, algumas ONGs temem que os preservativos não cheguem a tempo do carnaval.

- Tem toda uma logística de tempo e que pode complicar. Se o estado e os municípios não estiverem preparados para uma distribuição com urgência é capaz de esses insumos não chegarem a tempo para que as ONGs façam as ações de prevenção em suas cidades. Vão ter que trabalhar com o material que têm no momento, mas isso é um complicador - avaliou.

Para ele, o envio do material deveria ter sido mais bem planejado.

- Praticamente é em cima do carnaval. Isso precisa ser melhor planejado para que as distribuições cheguem em tempo, até para que as ONGs também pensem com antecedência suas ações. Muitas delas deixam de fazer ações porque sabem que correm o risco de não chegar o insumo de prevenção [camisinha] e o material gráfico. Praticamente todo ano acontece isso - criticou Neto.

Em função do feriado de sexta-feira em comemoração ao aniversário da cidade de São Paulo, a assessoria de imprensa do governo estadual não pôde informar se a remessa de preservativos do governo federal já chegou ao estado e se existe algum esquema montado para sua distribuição a fim de garantir a entrega do material nos municípios paulistas antes do carnaval.

Ao informar a distribuição do lote de camisinhas, cinco dias antes do lançamento da campanha publicitária de prevenção à aids para o carnaval, que aconteceu neste domingo, o Ministério da Saúde considerou que o material tinha condições de percorrer em tempo hábil a cadeia de repasses e chegar até a população antes das festas.

Utilizamos cookies essenciais e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade.
Ao continuar navegando, você concorda com estas condições.
Saiba mais