Obras chegam ao Masp sob escolta da polícia

Portal Terra

SÃO PAULO - As duas telas que haviam sido furtadas do Masp chegaram ao museu nesta quarta-feira. As obras estavam embaladas e foram levadas em um caminhão-baú climatizado a 20°C, apropriado para o transporte das telas.

Cerca de 30 viaturas, além de um helicóptero da Polícia Civil, fizeram a escolta do transporte das obras desde o Departamento de Investigação sobre o Crime Organizado (Deic) até o museu, que durou 15 minutos. O assistente de direção do Deic, Maurício Soares, afirmou que uma empresa especializada foi responsável por este transporte.

Soares disse ainda que as investigações estão adiantadas para prender todos os envolvidos no crime. Ontem, Robson de Jesus Jordão, 32 anos, e Francisco Laerton Lopes de Lima, 33 anos, foram presos, suspeitos pelo furto. A polícia acreedita que as telas seriam vendidas para um grupo especializado no comércio ilegal de obras de arte.

As obras O Lavrador de Café, de Portinari, e O Retrato de Suzanne Bloch, de Picasso, foram recuperadas ontem pela Polícia Civil em uma casa em Ferraz de Vasconcelos, na Grande São Paulo. Os quadros haviam sido furtados na madrugada do dia 20 de dezembro, quando ladrões arrombaram o portão principal do museu com um macaco hidráulico. O furto levou 3 minutos, das 5h09 às 5h12. Parte da ação foi gravada pelo circuito interno de TV.

As duas obras juntas são avaliadas em US$ 100 milhões. Os quadros pertencem ao acervo permanente do Masp e estavam no segundo andar do prédio.

Com informações da rádio Jovem Pan.