Delegado: vamos chegar a quem encomendou obras

Portal Terra

SÃO PAULO - O delegado geral de São Paulo, Mauricio José Lemos Freire, disse na noite desta terça-feira que a polícia vai investigar quem seria o receptador dos quadros furtados do Museu de Arte de São Paulo (Masp) no dia 20 de dezembro e recuperados nesta terça-feira. - É óbvio que os dois (suspeitos presos) não furtaram para eles. Agora, vamos chegar a quem encomendou estes quadros ou para onde eles iriam - disse.

Os dois suspeitos de furtar as obras O Lavrador de Café, de Portinari, e O Retrato de Suzanne Bloch, de Picasso, são Robson de Jesus Jordão, 32 anos, e Francisco Laerton Lopes de Lima, 33 anos.

Segundo o delegado, eles teriam participado das outras duas tentativas de roubo ao museu. A primeira delas ocorreu no dia 28 de outubro e a segunda no dia 17 de dezembro, quando ladrões tentaram invadir o prédio com o uso de um maçarico.

Freire afirmou ainda que a polícia não vai divulgar maiores detalhes sobre a recuperação dos quadros para não prejudicar as investigações. Ele disse que os dois suspeitos têm passagens pela polícia.

Na madrugada de 20 de dezembro, ladrões arrombaram o portão principal do Masp usando um macaco hidráulico. O furto levou 3 minutos, das 5h09 às 5h12. Parte da ação foi gravada pelo circuito interno de TV.

O valor das duas obras juntas é avaliado em US$ 100 milhões. Os quadros pertencem ao acervo permanente do Masp e estavam no segundo andar do prédio, distantes uma da outra.

O secretário de Segurança Pública de São Paulo, Ronaldo Marzagão, comemorou a recuperação das obras furtadas do Masp e elogiou o trabalho da Polícia Civil do Estado. - A Polícia Civil de São Paulo é a melhor do Brasil - afirmou.