CNBB aponta dom Aloísio como referência para bispos

Portal Terra

BRASÍLIA - A Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) divulgou na manhã deste domingo uma nota lamentando a morte do cardeal dom Aloísio Lorscheider, aos 83 anos, em Porto Alegre. Lorscheider presidiu a CNBB entre 1971 e 1978. A nota diz que o ex-presidente da entidade é 'uma referência para o episcopado brasileiro pelo testemunho de amor e coragem na defesa dos mais empobrecidos'.

O documento é assinado por dom Geraldo Lyrio Rocha, arcebispo de Mariana e presidente da CNBB, dom Luiz Soares Vieira, arcebispo de Manaus e vice-presidente da CNBB, e dom Dimas Lara Barbosa, bispo auxiliar do Rio de Janeiro e secretário-geral da CNBB.

Leia a íntegra do documento

A CNBB recebeu com tristeza profunda a notícia do falecimento do eminentíssimo cardeal d. Aloísio Lorscheider, ocorrido em Porto Alegre na aurora deste quarto domingo do advento, dia 23 de dezembro.

Admirado por sua inteligência e santidade, d. Aloísio tornou-se uma referência para o episcopado brasileiro pelo testemunho de amor e coragem na defesa dos mais empobrecidos, fruto de sua de fé em Jesus Cristo e de seu zelo no serviço à Igreja.

Atuando de forma irrepreensível na vida da Igreja do Brasil e da América Latina, d. Aloísio exerceu com brilhantismo e sabedoria incomum a presidência da CNBB e do Conselho Episcopal Latino-americano (Celam). Igualmente, as dioceses por onde passou haverão de ter, no seu exemplo, a imagem do verdadeiro pastor que ama, cuida e conhece as próprias ovelhas.

Imbuídos do espírito do evangelho, elevamos a Deus nossa prece de gratidão por todo bem que dom Aloísio fez ao longo de seu profícuo ministério. Recordando sua história marcada por obras que anunciam o Reino de Deus entre nós, ouvimos, como suas, as palavras do apóstolo, brotando do silencioso sofrimento que o acompanhou em seus últimos dias: "combati o bom combate, terminei a corrida, guardei a fé. Desde agora, está reservada para mim a coroa da justiça que o Senhor, o juiz justo, me dará naquele dia".

Como eleito predileto do Pai, d. Aloísio recebe agora "a coroa imperecível" dos que viveram com fidelidade sua vocação, na doação contínua e ininterrupta aos irmãos. Às vésperas do Natal, festa da vida e do amor, ele ouve o chamado do Redentor: "servo bom e fiel, entra na alegria do teu Senhor".