SP: projeto de fim do rodízio é aprovado na Câmara

Portal Terra

SÃO PAULO - Na mesma sessão do dia 5 de dezembro em que a Câmara Municipal de São Paulo aprovou a ampliação do rodízio de veículos, os vereadores também aprovaram projeto de lei que prevê o fim dele. Os dois passaram por votação em primeiro turno e ainda serão apreciados mais uma vez pela Câmara, antes de seguir para sanção

O vice-presidente da Câmara, vereador Adilson Amadeu (PTB), defende o término da restrição. "Meu projeto é o fim do rodízio. Ele foi criado por causa da poluição ambiental. Hoje, todos os carros têm catalisador. Não se pode privar as pessoas de comprar e andar com seus carros", diz. Para o vereador, que é também despachante de veículos, a solução para o trânsito é a retirados dos 2 milhões de veículos que circulam em situação irregular.

Já para o gerente de Operações da Companhia de Engenharia de Tráfego (CET), Gilson Grilli, não se pode falar em acabar com o rodízio.

- Apesar de matematicamente não fazer mais efeito, ele ainda tem sua função na distribuição do fluxo. Suspendemos em julho, por conta das férias escolares, e o trânsito piorou tanto que precisamos retomar antes do previsto - alega.

Ricardo Teixeira (PSDB), autor do projeto que amplia a restrição nos horários de pico, diz que trocar o rodízio pela apreensão de veículos é inviável.

- Onde se guardará essa frota? Os pátios estão cheios. Sem contar a fiscalização. A CET com 2 mil funcionários não dá conta de fiscalizar nem o centro, imagina a cidade toda - ressaltou.

O projeto de Teixeira prevê que metade dos 3,5 milhões de veículos que transitam todos os dias na capital seja proibida de circular uma hora e meia pela manhã e mais uma hora e meia durante a tarde. Se aprovado, o rodízio funcionará da seguinte forma: das 7h às 8h30 para placas ímpares e das 8h31 às 10h para placas pares. No período da tarde, o esquema funcionaria para placas ímpares, das 17h às 18h30, e pares, das 18h31 às 20h.

Apesar de defenderem projetos antagônicos, nenhum dos vereadores vê incoerência na aprovação das duas alternativas - ampliação e extinção.

- Pode ser que algum vereador não tenha lido direito, mas teremos ainda outra instância e a aprovação dos dois na primeira votação fará com que o assunto seja mais discutido ainda - diz Amadeu.

Kassab, em entrevista à rádio CBN na sexta-feira, garantiu que a prefeitura em nenhum momento irá tomar "medidas abruptas" em relação à ampliação ou modificação do rodízio de veículos.