Igreja Renascer repudia informações do MP

Portal Terra

SÃO PAULO - A Igreja Apostólica Renascer em Cristo divulgou nota oficial, nesta sexta-feira, repudiando as declarações do promotor Marcelo Mendroni, do Ministério Público do Estado de São Paulo, de que os fundadores da Igreja teriam movimentado quantias ilícitas de dinheiro.

O Ministério Público de São Paulo teve acesso a extratos bancários para comprovar o movimento de US$ 2 milhões (quase R$ 4 milhões) em cinco anos em uma conta pertencente a Sonia e Estevam Hernandes, fundadores da Igreja Renascer. Os promotores estimam que o valor do patrimônio do casal chegue a R$ 130 milhões.

Segundo a Igreja Renascer, os US$ 2 milhões divididos em seis anos dá uma média de aproximadamente R$ 50 mil. Dessa quantia, de acordo com a nota, são descontadas despesas como pagamentos de empregados, seguros e prestações diversas. A igreja afirmou que é "ridículo achar que se lava dinheiro com essa quantia".

A nota informou ainda que a quantia está em uma conta bancária comum, declarada. A dívida de R$ 6,5 milhões ao Fisco de São Paulo seria, segundo a igreja, declarada e paga em parcelas conforme negociação nos termos da lei.

A Igreja Apostólica Renascer em Cristo informou que já acionou seus advogados no Brasil e nos Estados Unidos para as devidas providências civis e criminais contra o promotor estadual Marcelo Mendroni.