Renan: parecer indicará problema ético, diz relatora

Graciliano Rocha, Portal Terra

CAMPO GRANDE - A senadora Marisa Serrano (PSDB), que integra, ao lado de Renato Casagrande (PSB-ES) e Almeida Lima (PMDB-ES), o trio de relatores que investiga o presidente do Congresso Nacional, senador Renan Calheiros (PMDB-AL), disse, neste domingo, que vai constar em um dos relatórios que será apresentado ao Conselho de Ética do Senado, na terça-feira, que a relação do parlamentar com o lobista Cláudio Gontijo, da empreiteira Mendes Júnior, "é um problema ético".

- A relação com o lobista é um problema ético, mas ainda estamos esperando a perícia da Polícia Federal (PF) com os resultados sobre as fazendas e os negócios com gado do senador - disse.

Há suspeita de que Calheiros tenha utilizado dinheiro de Gontijo para pagar pensão à jornalista Mônica Veloso, com quem tem uma filha. Esse elemento sustentaria a tese de quebra de decoro parlamentar por parte de Calheiros.

A perícia da PF deverá esclarecer se Calheiros tinha renda suficiente para fazer os pagamentos. Nos documentos que entregou ao Conselho de Ética, Mônica Veloso alegou ter recebido um volume de dinheiro que pode chegar a R$ 418 mil entre os anos de 2004 e 2006.

Eventuais inconsistências das transações de gado e da evolução patrimonial do presidente do Senado deverão compor o segundo eixo definidor do relatório. A PF deve entregar o resultado da perícia na segunda-feira.

Alegando não querer "pré-julgar" o investigado, Marisa Serrano evitou dizer claramente se o relatório pedirá a cassação do mandato de Calheiros, mas afirmou que não haverá consenso entre os três senadores encarregados da investigação.

O cenário mais provável, segundo ela, é que acabem sendo apresentados dois relatórios: um sugerindo "investigações mais aprofundadas", assinado por ela e por Renato Casagrande. Outro relatório, recomendando o arquivamento do processo no Conselho de Ética, seria assinado por Almeida Lima (PMDB-SE), aliado do presidente da Casa.