Documento não regulamentado teria liberado Congonhas

Portal Terra

BRASÍLIA - O documento da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) que previa o uso de reversores no Aeroporto de Congonhas, em São Paulo, e que, segundo a própria agência, não teria sido regulamentado, foi utilizado pela Anac, há seis meses, para dizer à Justiça que estava tomando medidas para evitar acidentes em Congonhas. O documento foi enviado à desembargadora Cecília Marcondes, do Tribunal Regional Federal (TRF), que havia proibido alguns modelos de avião de pousar nas pistas de Congonhas em dias de chuva. A informação é da Globonews.

A decisão da desembargadora de liberar a pista de Congonhas teria sido baseada em informações contidas no documento e que, segundo a Anac, não teriam valor legal.

Durante a última semana, diretores da Anac negaram que o documento tenha validade. A diretora Denise Abreu afirmou que o texto foi colocado na Internet indevidamente.

- Colocaram na internet um estudo interno que deveria estar voltado para o público interno da Anac para críticas. Foi uma falha da área de informática - disse.

O documento é uma instrução de trabalho que estabelecia os parâmetros e os procedimentos para a avaliação das condições das pistas do Aeroporto de Congonhas, na zona Sul de São Paulo, em dias de chuva.