Saito diz que pane no Cindacta 4 decorreu de falha humana

Agência Câmara

BRASÍLIA - O comandante da Aeronáutica, brigadeiro Juniti Saito, disse na tarde desta quarta-feira em depoimento à CPI do Apagão Aéreo na Câmara que a pane no Cindacta 4, em Manaus, logo após o acidente com o Airbus da TAM, foi decorrente de uma falha humana no momento da manutenção dos geradores. Ele esclareceu ainda que não havia problemas na geração de energia.

- Ele foi ali checar os geradores e percebeu que a bateria do gerador 2 tinha carga baixa. Deu partida na bateria do gerador 1 e funcionou. Ele viu que a bateria do segundo gerador estava vazando água. Em vez de substituir com as baterias sobressalentes, preferiu desligar o gerador 1 e fazer a troca. Aí roçou num ferro e deu um curto e provocou a queda do fornecimento pelo gerador, mas a energia comercial estava funcionando. Ele concluiu o conserto, mas não percebeu que a energia não estava establizada - explicou o brigadeiro. Sem a estabilização, o gerador funcionou por apenas 58 minutos e houve a queda de energia.

Com a explicação, a Aeronáutica descarta a hipótese de sabotagem que chegou a ser aventada inicialmente. Exaltado, o deputado Carlos Willian (PTC-MG), disse que não adiantava os parlamentares questionarem o brigadeiro sobre o acidente "porque o sistema da Aeronáutica é uma porcaria". Saito respondeu e disse que os geradores têm apenas cinco anos de uso e não há problemas com os equipamentos.

Utilizamos cookies essenciais e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade.
Ao continuar navegando, você concorda com estas condições.
Saiba mais