PF pede novos documentos a Calheiros

Portal Terra

BRASÍLIA - Para concluir a perícia dos documentos de defesa do presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), a Polícia Federal solicitou mais documentação. Segundo os relatores do caso que apuram se o senador tinha contas pessoais pagas por um lobista, a PF pediu cerca de 40 documentos ao próprio Calheiros, a órgãos estaduais de Alagoas e a empresas do estado.

Calheiros apresentou ao Conselho de Ética documentos que provariam que ele tinha condições de pagar pensão à jornalista Mônica Veloso. Os mesmos, no entanto, foram contestados e enviados à PF, que pediu 20 dias para concluir as investigações. Com o pedido de nova documentação, contudo, o trabalho pode atrasar.

Os relatores, Renato Casagrande (PSB-ES), Marisa Serrano (PSDB-MS) e Almeida Lima (PMDB-PI) se reuniram na tarde desta quarta-feira com o presidente do Conselho de Ética, Leomar Quintanilha (PMDB-TO).

Durante o encontro, Quintanilha definiu que a nova representação contra Calheiros, que pede investigações para saber se o senador teria beneficiado a empresa de bebidas Schincariol, será separada da atual. E apesar de não descartar a possibilidade de manter os mesmos relatores para o novo caso, Quintanilha disse que preferia que outros senadores assumissem a função.

Além das duas representações - a de ter contas pessoais pagas por lobistas e do caso Schincariol - a oposição também apresentou uma terceira representação, referente a denúncias de que Calheiros teria usado "laranjas" para comprar emissoras de rádio em Alagoas.

Utilizamos cookies essenciais e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade.
Ao continuar navegando, você concorda com estas condições.
Saiba mais