Senadores pedem que Renan peça licença do cargo e responda acusações

Carla Andrade, Agência JB

RIO - Depois do pronunciamento de Renan Calheiros, alguns senadores tiveram a palavra e todos, com exceção de Almeida Lima, praticamente um advogado de Calheiros, pediram para que ele deixasse o cargo para que o Senado pudesse voltar ao seu normal.

Antes de tecer qualquer comentário, o senador José Agripino (DEM-RN) reiterou que os Democratas e PSDB decidiram pela obstrução às votações após a aprovação à Lei Geral das Micro e Pequenas Empresas e entregar uma nova representação contra Renan.

- São denúncias muito graves e creio que o senhor não deva andar pelas mesmas ruas que eu, porque nas que eu ando só ouço indignação e tristeza do povo brasileiro ao ver o Senado perdendo sua credibilidade. O senhor apresenta uma justificativa a cada semana, mas não decide o que seria melhor para todos, tirar uma licença e deixar que a Casa volte ao normal ressaltou Agripino.

Quando o senador pediu para que Renan evitasse prejudicar o interesse nacional, foi interrompido pelo presidente da Casa, que chegou a citar os débitos e negócios do representante do DEM.

- Lastimo que o senhor seja tão precipitado. Não sabe da devassa que sofreu a minha vida. Eu não seria tão leviano e defenderia até a última hora o seu direito de apresentar provas em sua defesa alfinetou Renan.

A resposta de Agripino foi quase imediata. Ele disse que se Renan tiver algum tipo de prova contra seus negócios, que são todos legítimos , deve colocar aos parlamentares.

- A nossa diferença é que o senhor leva este caso como pessoal e para mim ele é constitucional disse Agripino, pondo um ponto final na pequena discussão.

O próximo a pedir que Renan se afaste da Presidência do Senado para exercer seu "amplo direito de defesa" foi líder da bancada do PSDB no Senado Arthur Virgílio (PSDB-AM). O senador disse com todas as letras a Renan que sua presença a frente do senado não se revela conveniente e que não consegue ver o que justifique esse processo tão tortuoso.

- Quanto mais cedo o senhor sair, melhor e não me dá um pingo de satisfação bater nesta tecla de novo. Só que percebo que o seu afastamento seria um gesto de grandeza para o país, o mais acertado.

A líder do PT no Senado, Ideli Salvatti (SC), considerou legítimas as sugestões de senadores de que o presidente do Senado, Renan Calheiros, se afaste do cargo até o final das investigações contra ele. Entretanto, Ideli afirmou que as leis brasileiras não obrigam que Renan se afaste da Presidência, ou seja, a decisão de permanecer ou não no cargo é exclusivamente dele.

Utilizamos cookies essenciais e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade.
Ao continuar navegando, você concorda com estas condições.
Saiba mais