Líderes não chegam a acordo cobre reforma política

Agência Brasil

BRASÍLIA - Terminou, há pouco, na Câmara dos Deputados, a reunião de líderes em torno da reforma política. Não houve acordo. Os líderes decidiram, entretanto, que votam ainda nesta quarta-feira, de qualquer forma, a questão da lista fechada. Aprovando, ou não, essa proposta do relator da reforma, Ronaldo Caiado (DEM-GO), os líderes pretendem discutir, em seguida, a fidelidade partidária. - As pessoas têm que manifestar qual a reforma política que querem. Cada um quer uma reforma, e isso vai ser decidido no voto. Não tem jeito - afirmou o líder da Minoria, Júlio Redecker (PSDB-RS).

O líder do Governo, José Múcio (PTB-PE), tem a mesma opinião.

- Não houve unanimidade, mas estamos apenas começando. O que se sabe é que o sistema que está aí envelheceu.

Para o líder do PR, Luciano Castro (RR), a decisão será o voto. - O presidente da Câmara ñArlindo Chinaglia, do PT de São Paulo, disse que não tira o item da pauta, mas acho difícil que essa votação ocorra ainda nesta semana - afirmou o deputado.

A maioria dos líderes mostrou-se contra a chamada lista flexível, que prevê 50% das vagas para candidatos a deputado em lista fechada e 50% em lista aberta.

- Somos contra a lista fechada. E a lista flex é pior ainda: passaremos a ter deputados públicos e deputados privados - disse o líder do PSDB, Antônio Carlos Pannunzio (SP).