Calheiros diz que renúncia é um absurdo

Portal Terra

BRASÍLIA - No mesmo dia marcado para a votação da representação contra ele no Conselho de Ética, o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), classificou a possibilidade da renúncia como um "absurdo". Segundo ele, apenas aqueles que não o conhecem podem pensar isso.

- Isso (renúncia) é um absurdo. Só quem não me conhece pode pensar isso. Eu sou um homem de luta, essa palavra não existe no meu dicionário - disse ao chegar no Congresso na manhã desta quarta-feira.

Para Calheiros, não há a possibilidade de seu partido pedir para que ele se afaste do cargo.

- Não haverá apelo porque não há nenhuma acusação contra mim.

Como um sinal de que não há pressão, Calheiros afirmou ainda que pretende conduzir normalmente a sessão deliberativa desta quarta-feira, marcada para às 16h.

- Eu sou o presidente do Senado, represento a casa e não vou estar aquém da necessidade e da dignidade que a casa precisa - afirmou.

- Aqueles que estão pensando que sem ter uma denúncia comprovada com documentos, sem ter uma agressão eu vou deixar o Senado, está redondamente enganado. É só quem não conhece a minha biografia, a minha história - completou.

A reunião do Conselho está marcada para às 13h30, mas há a possibilidade de ser adiada para o final da tarde, à pedido do novo relator, Wellington Salgado (PMDB-MG). Ele foi nomeado oficialmente na manhã de hoje para substituir Epitácio Cafeteira (PTB-MA), afastado com atestado médico de dez dias.