Mangabeira Unger: O Brasil não está mais de joelhos

Agência JB

BRASÍLIA - O filósofo Mangabeira Unger tomou posse esta tarde como ministro da Secretaria de Planejamento de Longo Prazo. Unger afirmou que agora o Brasil não está mais de joelhos, dependente do dinheiro de fora, e que o país pode caminhar com suas próprias pernas. O novo ministro disse que na eleição passada o povo pobre trabalhador não deixou que lhe tomassem o juízo. - Ao rejeitar tutelas, reconciliou-se consigo mesmo.

No seu discurso de posse, Unger afirmou ainda que a maioria desorganizada deve seguir os passos da nova vanguarda. - O mundo se inquieta diante da falta de novas alternativas.

Mangabeira Unger ressaltou que falta unidade nacional ao Brasil. - No Brasil além de idéia clara em torno do futuro, falta confiança na originalidade coletiva.

Ele disse ainda que a tarefa a que ele foi convocado por Lula deve engajar todos os setores do governo e da sociedade na definição do rumo nacional.

Mangabeira lembrou que o presidente, ao convocá-lo para a tarefa, foi magnânime, depois das críticas feitas durante o seu primeiro governo. Em artigo publicado no jornal Folha de S.Paulo, em 2005, classificou o governo Lula como "o mais corrupto da história". Na ocasião, pedia também o impeachment do presidente Lula.

Depois do período turbulento, Lula e Unger voltaram a se falar em 2006, quando o agora ministro chegou a subir no palanque do então candidato petista.

A Secretaria, que já foi de Ações de Longo Prazo, depois Secretaria de Planejamento Estratégico, passou a se chamar Secretaria de Planejamento de Longo Prazo. Ela vai unificar outros dois órgãos do governo, o Núcleo de Assuntos Estratégicos (NAE) e o Instituto de Pesquisa Econômica e Aplicada (Ipea). Os dois passam a ficar sob o guarda-chuva do novo ministério.

A pasta de Mangabeira será responsável pelo planejamento do Brasil para os próximos anos, em especial por traçar os passos para o bicentenário da independência, em 2022.