Diretor do Dnit deverá devolver dinheiro, diz TCE

Portal Terra

RIO GRANDE DO SUL - O diretor de Infra-Estrutura Rodoviária do Departamento Nacional de Infra-Estrutura de Transportes (Dnit), Hideraldo Caron, citado em conversas telefônicas por um preso na Operação Navalha, teve as contas de sua gestão numa autarquia do Rio Grande do Sul rejeitadas pelo Tribunal de Contas do Estado (TCE) e foi condenado a devolver R$ 466,5 mil aos cofres públicos.

Ele dirigiu o Departamento Autônomo de Estradas de Rodagem (DAER), órgão do governo estadual, durante gestão do petista Olívio Dutra (1999 a 2002), e enfrentou ações pela suspeita de dispensa de licitação para obra rodoviária, nomeações irregulares, prorrogação de contratos sem licitação, pagamento excessivo e em duplicidade de diárias e possível favorecimento a empresas concessionárias de rodovias.

Caron foi descrito por Geraldo Magela Rocha, preso durante a Operação Navalha, como peça fundamental no esquema. "Hideraldo é o básico pra nós. Pra nós, o Hideraldo é tudo", disse Magela, em fala captada por meio de escuta telefônica.

Caron foi condenado pelo TCE gaúcho, em 2001, por não comprovar a necessidade de dispensa de licitação para contratar uma empresa para construir um trecho de rodovia e por contratar serviços por preços acima dos praticados pelo mercado. O TCE aplicou multa de R$ 1,5 mil e determinou a devolução de R$ 23,9 mil aos cofres públicos.

Caron recorreu de todos os processos. Dois deles foram mantidos pelo TCE e um aguarda julgamento de recurso. Ele consta como devedor no cadastro do tribunal.

Cabe à direção do DAER e à Procuradoria-Geral do Estado executarem a cobrança.