Ibama avalia se usinas têm viabilidade ambiental

Agência Brasil

PORTO VELHO - Manifestante mostra adesivo apoiando a construção de hidrelétricas no Rio Madeira. O Ibama avalia se as usinas Jirau e Santo Antônio, polêmicas, têm viabilidade ambiental ou não Brasília - Nas ruas de Porto Velho, capital de Rondônia, quase todo mundo já tem uma opinião formada sobre a construção das usinas hidrelétricas do Rio Madeira, e é difícil encontrar quem não esteja pelo menos a par da questão. Apesar disso, o clima não é de tensão nem de discussão acirrada de idéias. Na capital, as manifestações favoráveis à obra são mais evidentes que os posicionamentos contrários às usinas. Jirau e Santo Antônio, as duas usinas que o governo federal quer construir no rio, somam 6.450 megawatts - aproximadamente metade da potência de Itaipu, a usina mais potente do país, e 8% da demanda nacional, segundo cálculo do governo. A obra depende da concessão de licença prévia pelo Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama). Pelo projeto, as represas alagarão área proporcionalmente pequena e não controlarão a vazão do Madeira. Adesivos em carros, vitrines e objetos pessoais, além de cartazes e outdoors com frases como: Sou a favor das hidrelétricas e Usinas já ilustram a posição de quem acha que o empreendimento deverá trazer mais benefícios do que prejuízos para o estado de Rondônia.

Composto por políticos, comerciantes e empresários, o Comitê Pró-Usinas do Rio Madeira organizou recentemente na cidade uma carreata por vários bairros da cidade. A manifestação contou com a adesão de cerca de 30 carros.

Para um dos coordenadores do movimento, Jorge Luiz da Silva Alves, a construção das usinas trará empregos e progresso para o estado, além de evitar o risco de futura falta de energia elétrica no país.

- Nós sabemos que o Brasil daqui a cinco anos não vai ter mais energia. Temos que ter as usinas do Rio Madeira funcionando para não ter mais apagões -, declarou. No centro da capital, o ambulante José Carlos Souza trabalha consertando relógios e amolando alicates.

Em sua banca, ele colocou um adesivo mostrando sua posição favorável às usinas. Para ele, a energia das hidrelétricas pode trazer novas oportunidades, inclusive para seus quatro filhos.

- Sou a favor do desenvolvimento da nossa região. Eu vejo aqui, trabalho aqui no centro observo muitos jovens desempregados, ociosos, afim de trabalhar, passam com pastas na mão, procurando emprego, distribuindo currículos, então acho que ia ser bom as usinas virem aqui para empregar esse pessoal todo aí que está sem fazer nada. Com a energia vai ser muito bom, novas indústrias, novos empregos -, acredita Souza.

A opinião do estudante Bruno Palmiere, de 17 anos, é diferente. Ele se diz contrário à construção das usinas porque acha que a cidade não vai suportar o grande fluxo de pessoas que devem se deslocar na busca de novas oportunidades de emprego.

-As pessoas vão vir pra cá por causa das usinas, procurando uma vida melhor, e a cidade não vai ter uma infra-estrutura pra proporcionar uma vida adequada pra essas pessoas. Ou seja, vai ser mais brasileiro sofrendo aqui em Porto Velho -, afirmou.

Também foi realizado na capital, em 31 de maio, um debate promovido pela Associação Nacional dos Docentes em Ensino Superior da Região Norte (Andes). O evento reuniu apenas manifestantes contrários à construção das usinas, pois representantes dos movimentos favoráveis à obra não compareceram à discussão. As empresas Furnas e Odebrecht, responsáveis pelos estudos do empreendimento, também não enviaram representantes. O auditório do centro paroquial de Rondônia ficou praticamente lotado, mas muitos eram estudantes de ensino médio e universitários, que compareceram ao evento estimulados por professores.

O professor de sociologia da Unir, Luís Novoa, um dos membros do Fórum Independente Popular do Rio Madeira, acusou os empreendedores da obra e o governo federal de travar a discussão sobre o tema.

- O discurso de inclusão, de participação no desenvolvimento local não corresponde a pratica de uma população absolutamente a mercê, relegada, que vai ser tratada como foram as populações dos grandes empreendimentos hidrelétricos do Brasil -, alertou.