Energias renováveis e comércio devem nortear discurso brasileiro no G8

Agência Brasil

NOVA DELHI (ÍNDIA) - Energias renováveis e comércio devem nortear discurso brasileiro no G8, diz Amorim

Mylena Fiori

Enviada especial

Dois temas devem nortear o discurso brasileiro na reunião do G8 (o grupo, dos sete países mais ricos do mundo e a Rússia) nesta quarta-feira e quinta na cidade alemã de Heiligendamm: energias renováveis e comércio.

Segundo o ministro das Relações Exteriores, Celso Amorim, Brasil e Índia aproveitaram a visita do presidente Luiz Inácio Lula da Silva ao país asiático para afinar o discurso nessas áreas.

Ao lado de China, México e África do Sul, os dois países participam como convidados do encontro anual do G8, que este ano tem o aquecimento global como tema central.

- Estamos muito bem afinados. Todos nos preocupamos com a questão do aquecimento global. Todos queremos que as metas que existem sejam cumpridas - afirmou o ministro.

De acordo com o chanceler brasileiro, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva defenderá na Alemanha, o uso dos biocombustíveis como solução para a redução dos gases causadores das mudanças climáticas.

- O presidente Lula falará sobre a mudança de clima e as implicações que isto tem para a questão energética, e vice-versa - antecipou o chanceler ainda em Nova Delhi.

- O uso de energias limpas e renováveis, como é o caso dos biocombustíveis, pode contribuir para a diminuição das emissões de gás carbônico.

Segundo Amorim, não só a Índia mas os demais países em desenvolvimento têm posições similares à brasileira. O assunto deve ser detalhado em reunião preparatória dos 5 países convidados.

- Vamos, seguramente, ter um documento entre nós - revelou o chanceler. Também deve entrar em pauta na Alemanha a proposta brasileira de desmatamento evitado, que estabelece uma compensação financeira para o combate ao desmatamento.

- O presidente deve mencionar, deve se falar em algum estímulo ao desmatamento - informou Amorim. Quanto às resistências à proposta, comentou: " Todas as idéias novas não são muito bem recebidas".

Outro tema que, segundo Amorim, certamente será tratado é a atual rodada de negociações da Organização Mundial do Comércio.

- Nossa posição é que é preciso concluir a rodada de maneira positiva porque se precisa de uma verdadeira rodada de desenvolvimento. Acho que estamos nos aproximando de que isso seja realmente viável - avaliou.

Além dos encontros do G5 (formado pelos cinco países mais industrializados do mundo: França, Alemanha, Japão, o Reino Unido e os Estados Unidos) e do G8 (os sete ´países mais ricos do mundo mais a Rússia), a agenda do presidente Lula na Alemanha prevê encontros bilaterais com o primeiro-ministro britânico Toy Blair, a chanceler alemã Angela Merkel, e líderes do Canadá, Nigéria e Argélia.