Câmara votará reforma política mesmo sem consenso, diz Chinaglia

REUTERS

BRASÍLIA - O presidente da Câmara, Arlindo Chinaglia (PT-SP), afirmou nesta quarta-feira que colocará a reforma política em votação mesmo que não haja consenso em torno do tema. Ele reconheceu que o plenário está muito dividido em relação a dois pontos fundamentais da proposta: financiamento público de campanha e lista eleitoral fechada.

- Há divisão, me parece, na totalidade dos partidos. A divisão não significa que a reforma esteja sendo feita de maneira açodada. Esperar mais seria jogar a reforma política para a eternidade - disse. Há pouco clima no plenário da Câmara para aprovar pontos que alterem substancialmente as regras do jogo.

- Vamos ficar no paliativo ao invés de alterar questões centrais - disse o deputado Emanuel Fernandes (PSDB-SP).