Controladores de vôo depõem em sessão secreta na Câmara

Leandro Mazzini, Agência JB

BRASÍLIA - Os quatro controladores de vôo que trabalhavam no Centro Integrado de Defesa Aérea e Controle de Tráfego Aéreo (Cindacta) I, de Brasília, no dia do acidente com o avião da Gol, estão depondo em sessão secreta da CPI do Apagão Aéreo no plenário 7 da Câmara.

A sessão começou por volta das 9h30, aberta, mas o advogado dos controladores pediu que a audiência fosse secreta. A solicitação foi colocada em votação e os deputados da CPI aceitaram.

Do lado de fora, cerca de 20 controladores de vôo fazem um protesto em favor do colega Jomarcelo Fernmandes, denunciado pelo Ministério Público do Mato Grosso por crime doloso (com intenção). O cerco da Justiça cada vez mais se fecha sobre Jomarcelo. Para o MP e o senador Demóstenes Torres (DEM-GO), relator da CPI no Senado, Jomarcelo sabia que o boeing e o jato Legacy da American ExcelAire voavam em rota de colisão, e nada fez para mudar as rotas.

Os controladores culpam, no entanto, o software de leitura do monitoramente aéreo instalado pela Aeronáutica, que apresentaria falhas. A Força Aérea Brasileira nega, porém, que o sistema seja ineficiente.

A Justiça Federal acolheu a denúncia do MP e o julgamento deve começar em agosto. Também foram denunciados os pilotos do Legacy, os americanos Jan Paul Paladino e Joseph Lepore.