USP: para promotor, prazo para saída está esgotado

Portal Terra

SÃO PAULO - O promotor público Carlos Cardoso, assessor especial de direitos humanos do Ministério Público de São Paulo, afirma que os estudantes tiveram um tempo bastante razoável para o cumprimento do mandado de reintegração de posse da reitoria da Universidade de São Paulo (USP), invadida há um mês por um grupo de cerca de 150 alunos.

Segundo ele, a intransigência dos alunos é insensata, já que na visão dele, eles saíram vitoriosos do embate. - Eles trouxeram o debate para a opinião pública e agora não faz mais sentido permanecer dentro do prédio - diz.

O promotor acredita que o mandado de reintegração de posse deve ser cumprido no começo desta semana, já que a negociação está emperrada. Na segunda-feira, a reitora da universidade, Sueli Vilella, deve receber novamente uma comissão de alunos, apesar de ter declarado anteriormente que não haveria mais conversa antes da desocupação do prédio.

De acordo com o promotor, a expedição do mandado de reintegração não exige que ele seja cumprido imediatamente. - Como se trata de uma operação policial de grande envergadura, a oportunidade fica a critério das autoridades policiais. Não é interesse de ninguém que haja um confronto, mas a ocupação não faz mais sentido - diz.