Saúde divulga balanço parcial de vacinação contra rubéola

Agência JB

RIO - Terminou no sábado a campanha de vacinação contra a rubéola em todo o estado. Um esquema especial foi montado nos postos de saúde com o objetivo de atender quem deixou para se vacinar na última hora. Segundo balanço parcial da Secretaria Estadual de Saúde e Defesa Civil, desde o dia 28, foram imunizadas 1.449.866 pessoas, de 20 a 34 anos, sendo 675.733 homens e 774.133 mulheres. No município do Rio, o número total de atendidos foi de 688.500.

As informações continuam chegando de vários municípios fluminenses, e um outro balanço deverá ser divulgado na próxima quarta-feira. Foram 1.500 casos confirmados da doença no estado: 70% em homens e 30% em mulheres. Daí a necessidade da campanha para conter uma epidemia. Este é o maior número de registros no Rio de Janeiro desde que a vacina tríplice viral (contra sarampo, rubéola e caxumba) começou a ser aplicada em larga escala, em 1996.

Três milhões e 200 mil doses da vacina foram disponibilizadas, em 2.100 postos de vacinação fixos e volantes em todo estado. A campanha contou, ainda, com 300 veículos de apoio nos 92 municípios e com dez mil voluntários.

Quando a gestante contrai a doença, o bebê pode nascer com Síndrome da Rubéola Congênita (SRC), que se caracteriza por graves problemas, como cegueira, catarata, surdez, alterações cardíacas e retardo mental.

A vacina só não deve ser administrada nos seguintes casos: gestantes; pessoas com deficiência imunológica congênita ou adquirida devido a tratamentos com imunosupressores, corticosteróides, antimetabólicos ou radiação; pessoas que já tenham demonstrado reação à vacina ou a um de seus componentes, como a neomicina; e pessoas com hipersensibilidade comprovada à proteína do ovo.

Mulheres em idade fértil devem evitar engravidar no período de um mês após a vacinação. Em caso de suspeita de gravidez, recomenda-se adiar a imunização até que seja confirmado o diagnóstico.