"Minha vida virou um inferno", diz ex-miss Brasil desaparecida

Agência JB

LONDRES - A ex-miss Brasil Thaiza Thomsen falou com a imprensa pela primeira desde que seu suposto desaparecimento foi parar nas páginas de jornais brasileiros e ingleses. A família de Thaiza, 24 anos, informou seu desaparecimento à polícia no começo do ano. Depois de viajar para a Grã-Bretanha, a ex-miss não havia contatado a família por cinco meses.

Após temores de que a brasileira pudesse ter sido vítima de tráfico sexual, ela fez contato com a polícia, dizendo que estava bem. Em reportagem publicada neste domingo no jornal britânico 'The Mail on Sunday', Thaiza afirmou que sua vida virou um "inferno na terra" depois que cartazes com sua foto foram espalhados pela capital britânica.

Ela disse que foi presa pela imigração porque seu visto havia expirado em dezembro.

- Eu fiquei presa por 30 dias até que eu esclareci toda essa tagarelice causada por minha mãe. Agora eu quero ser deixada em paz para seguir com a vida que construí para mim na Grã-Bretanha - disse.

A ex-miss contou que deixou São Paulo porque estava sendo perseguida.

- Estava sendo perseguida e recebi uma série de ameaças de morte, mas eu não quero falar sobre isso - disse.

Ela afirmou que não fez contato com a família por cinco meses porque teve alguns "desentendimentos que me deixaram muito chateada":

- Minha mãe atrapalhou tudo ao ir à polícia.

Thaiza disse também que nunca se prostituiu durante os dois meses em que trabalhou em um clube de strip-tease de Londres usando o pseudônimo Sol.

- Muitas brasileiras trabalham nesses clubes e, apesar de dançarem nuas, elas não são prostitutas.

Thaiza afirmou que realizou o trabalho para pagar uma amiga a quem devia dinheiro.

- Ela precisava do dinheiro rápido porque estava doente. Eu nem gostei do emprego e o clube não pagou a quantia que havia me prometido. Eu acabei ganhando menos de 500 libras (cerca de R$ 1,8 mil) por semana. Mas era o único emprego que consegui encontrar - revelou.

A Scotland Yard, polícia londrina, disse no sábado que o caso está concluído e que Thaiza não é mais considerada desaparecida.

(Com BBC Brasil)