Brasil e Canadá intensificam diálogo político e comercial

Agência Brasil

BRASÍLIA - A reforma das Nações Unidas, a parceria na missão de estabilização no Haiti, a situação no Oriente Médio e o diálogo ampliado do G-8 com países em desenvolvimento são alguns dos temas que estão sendo tratados pelo ministro das Relações Exteriores, Celso Amorim, na visita de dois dias ao Canadá. A agenda do chanceler, que está em Otawa desde quarta-feira, inclui encontros com os ministros canadenses de Negócios Estrangeiros, Peter Gordon MacKay, e de Comércio Internacional, David Emerson.

Com Mackay, além de temas da agenda regional e global, está prevista a discussão sobre as possibilidades de cooperação em áreas como energia, ciência e tecnologia, meio ambiente e intercâmbio acadêmico. De acordo com o Itamaraty, a reunião dá continuidade às conversações que os dois chanceleres mantiveram durante visita do canadense ao Brasil, em fevereiro passado.

Na ocasião, os dois chanceleres assinaram declaração conjunta na qual Brasil e Canadá se propõem a iniciar um diálogo estruturado na esfera de energia. Também reafirmam o compromisso de aprofundar a cooperação bilateral e dedicar esforços para incrementar o intercâmbio comercial e os investimentos recíprocos.

No plano regional, os chanceleres reafirmaram o apoio aos esforços empreendidos pela Missão das Nações Unidas para a Estabilização do Haiti (Minustah) e comprometeram-se a intensificar a colaboração com o governo haitiano em benefício do desenvolvimento econômico, social e institucional do Haiti manifestaram, inclusive, a intenção de implementar um programa trilateral de vacinação no Haiti.

Agora, Amorim deve abordar alguns destes temas também com o ministro do Comércio Internacional, David Emerson. Segundo nota do Itamaraty, Amorim e Emerson devem tratar de cooperação nos campos energético e científico-tecnológico e da Rodada Doha da Organização Mundial do Comércio.

Os dois chanceleres devem discutir, ainda, formas de incrementar o comércio e os investimentos bilaterais. Em 2006, a corrente bilateral de comércio totalizou US$ 3,46 bilhões, com superávit brasileiro de US$ 1,08 bilhão. As exportações brasileiras para o Canadá aumentaram 17,04 % em relação a 2005, alcançando US$ 2,27 bilhões. As importações de produtos canadenses atingiram a cifra de US$ 1,19 bilhão 17,17% a mais que no ano anterior.

Apesar do crescimento das trocas comerciais, o Canadá não está sequer entre os 12 principais destinos de exportações brasileiras. Também não figura na lista dos 12 maiores fornecedores de produtos para o Brasil. Quanto aos investimentos, em 2006 o Brasil tornou-se o quarto maior investidor direto no Canadá, com estoque de quase US$ 21 bilhões. Os investimentos diretos do Canadá no Brasil foram de cerca de US$ 7 bilhões.

A agenda do ministro Celso Amorim no Canadá inclui, ainda, reunião com a Governadora-Geral do Canadá, Michaëlle Jean. O chanceler aproveitará a viagem para tratar da Rodada Doha com a Representante de Comércio dos Estados Unidos, Susan Schwab.