Chinaglia defende reajuste retroativo de salário de deputados

REUTERS

BRASÍLIA - O presidente da Câmara Arlindo Chinaglia (PT-SP) defendeu nesta quinta-feira que o reajuste salarial de 26,5% de deputados e senadores seja retroativo a fevereiro, início da atual legislatura.

- Não acho injusto ser retroativo, mesmo porque o salário já devia ter sido reajustado desde o ano passado - disse Chinaglia a jornalistas.

Com o reajuste, referente à recomposição da inflação nos últimos quatro anos, os deputados passarão a receber 16,2 mil reais por mês. A proposta já rendeu críticas do PSOL, que aguardará a discussão em plenário para decidir se irá questionar o assunto na Justiça.

- A lei não pode retroagir para prejudicar ainda mais a imagem do Parlamento, sobretudo às vésperas do 1º de maio. Isso pode ser pressão das forças ocultas, mas posso garantir que esse debate não será oculto - disse o deputado Chico Alencar (PSOL-RJ).

A proposta discutida na reunião de líderes na manhã desta quinta-feira, na Câmara, deve considerar também o aumento salarial do presidente e vice-presidente da República e ministros de Estado. O salário do presidente passaria de R$ 8,8 mil reais para cerca de R$ 11 mil.