Ministro da Saúde divulga dados de mortes por acidentes de trânsito

Agência JB

BRASÍLIA - O Ministério da Saúde divulga nesta quinta-feira dados atualizados de mortes causadas por acidentes de trânsito, informações sobre como os jovens se envolvem em acidentes e ações que o governo federal deve colocar em prática para reduzir a violência no trânsito.

O evento - marcado para as 9 horas, no auditório do ministério - faz parte das ações organizadas no Brasil para a Semana Mundial das Nações Unidas de Segurança no Trânsito. Outras atividades também serão realizadas em Brasília, como distribuição de material educativo em semáforos do Eixo Monumental.

Para as medidas, o ministério conta com o apoio de cerca de 40 organizações da sociedade civil, que promovem atividades em todo o país até o próximo domingo (29).

Uma das ações em nível mundial é a 1ª Assembléia Mundial de Jovens, coordenada pela Organização das Nações Unidas (ONU), em Genebra, na Suíça. O Brasil será representado por um jovem da Fundação Thiago de Moraes Gonzaga, de Porto Alegre (RS).

Para a presidente da entidade, Diza Gonzaga, o problema do trânsito tem que ser tratado como uma questão de educação.

- E educação é um processo a médio e longo prazo; não é uma campanha pontual em véspera de feriado ou na semana nacional do trânsito que vai mudar essa realidade.

Na avaliação dela, as vítimas de acidentes de trânsito morrem não só por desconhecimento de sinalização ou estradas com algum problema.

- Elas estão morrendo por causa da cultura de herói, que diz que para ser feliz tem que correr, tem que beber.

O diretor do Departamento de Análise de Situação de Saúde do Ministério da Saúde, Otaliba Libânio, ressalta que o uso de bebidas alcoólicas é um fator forte de risco no trânsito, que está associado a outros fatores, como a alta velocidade.

- Quase metade dos acidentes está associada à ingestão de bebida alcoólica pelo condutor do veículo. Ele afirma que embora a educação seja um elemento importante, ela não deve ficar a cargo apenas das escolas.

- Educação, do ponto de vista dos familiares, também é importante, bem como os próprios jovens educarem uns aos outros.