Leitura de requerimento dá largada à CPI no Senado

Portal Terra

BRASÍLIA - O requerimento de instalação da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) do Apagão Aéreo foi lido nesta quarta-feira no Plenário do Senado. A partir de hoje, portanto, a comissão estaria apta a começar a funcionar. Um acordo de líderes feito na última terça, no entanto, retardará o início das investigações.

A decisão tomada foi a de conceder um prazo de vinte dias para a indicação dos participantes da CPI. Até lá, o governo tentará enterrar a Comissão na casa. A idéia é que a comissão aconteça apenas na câmara, onde os governistas são maioria.

O líder do governo no Senado, Romero Jucá (PMDB-RR), chegou a admitir, na terça-feira, depois a reunião de líderes, que tentará um acordo.

- Nesse período, se houver acordo e chegarmos a um consenso, pode se chegar a um outro caminho. O governo aceita a investigação, mas o que temos conversado é que seria uma overdose de CPIs. Qualquer entendimento político pode reverter qualquer decisão tomada anteriormente - disse Jucá.

Já o líder do Democratas, José Agripino Maia (RN), disse que o prazo de vinte dias é mais do que ele esperava, mas que insistirá na CPI na casa, onde a oposição tem mais peso.

- Acho uma manobra do governo muito pocuo provável e vamos continuar brigando pela nossa CPI - disse.

Após a leitura do requerimento, Agripino lembrou ainda que o intuito do acordo não é esperar a decisão do Supremo para a CPI da Câmara.

- Tinhamos que ler hoje para que o Supremo entendesse que no Senado os fatos ocorriam dentro da normalidade.

O requerimento conta com 34 assinaturas, 7 a mais do que as necessárias. A Comissão, caso instalada, contará com 13 senadores e terá duração de 180 dias.